sábado, 31 de dezembro de 2005

só para dizer aos meus...

...Queridos Senzas:

obrigada por terem tornado este ano especial.
obrigada por terem estado em momentos importantes ou por terem apenas estado por perto.
cada um de vocês é importante!
e só me resta mesmo dizer obrigada!


BOM ANO :)
cuidado com a passagem de ano ;p divirtam-se mas com moderação nos vícios!


blogger

2005 - ano dos SENZAS

SENZAS OBRIGADO! Vocês fizeram de 2005 o melhor ano da minha vida! =)
Acreditem que ter-vos conhecido a todos e a cada um e nas condições em que nos conhecemos (em Roma!) foi marcante, e agradeço a Deus por isso!
Senzaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaas!!!

blogger

2006

Póis é, vem aí 2006, os senzas não ficam parados e mais viagens se preparam.
No próximo ano, podíamos comemorar 1 ano de senzas indo à Terra Santa, de 17 a 27 de abril, exactamente na mesma altura em q tivémos em Roma =)!
Quem alinha??? Temos de nos mexer depressa e arranjar dinheiro, pq desta vez acho que nao existe nenhuma lei a dizer q os portugueses na Terra Santa não precisam de pagar transportes...

blogger

noite de natal

Sair no dia de Natal? Sim ou não?
Quero polémica...animem isto, não quero eco lol

blogger

quarta-feira, 28 de dezembro de 2005

Jornadas da Juventude com temas escolhidos

Bento XVI já divulgou os temas das Jornadas da Juventude para os próximos três anos (diocesanas em 2006 e 2007 e mundial em 2008). Os jovens reflectirão no ano que vem sobre o versículo 105 do Salmo 119 – «Tua palavra é lâmpada para os meus pés e luz para o meu caminho» – e , em 2007, o tema escolhido procede do Evangelho de João: «Como eu vos amei, amai-vos também vós uns aos outros» (João 13, 34). Por sua parte, a edição mundial das Jornadas da Juventude, convocada para 15 a 20 de Julho de 2008, em Sydney, Austrália, irá centrar-se um tema extraído dos Actos dos Apóstolos:

«Recebereis a força do Espírito Santo, que virá sobre vós, e sereis minhas testemunhas » (Actos 1, 8).

A notícia foi confirmada por uma carta do Conselho Pontifício para os Leigos, do dia 28 de Novembro, dirigida aos «representantes nacionais da Jornada Mundial da Juventude e movimentos, associações e comunidades juvenis internacionais ».

blogger

sábado, 24 de dezembro de 2005

Natal!

Bento XVI: A verdadeira luz de Natal Meditação durante a audiência geral
CIDADE DO VATICANO, quarta-feira, 21 de dezembro de 2005

Papa Bento XVI esta quarta-feira durante a audiência geral, dedicada ao mistério do Natal.


A audiência de hoje acontece no clima de alegre e ansiosa espera da festividade natalícia já iminente. Vem o Senhor Jesus! Repetimos nestes dias, na oração preparando o nosso coração, para experimentar a alegria do nascimento do Redentor. Em particular, nesta última semana do Advento, a liturgia acompanha e sustenta o nosso caminho interior com repetidos convites a acolher o Salvador, reconhecendo-o no humilde Menino que jaz num presépio. Este é o mistério de Natal, que podemos compreender melhor através de tantos símbolos. Entre estes símbolos está o da luz, que é um dos mais ricos de significado espiritual e sobre o qual queria reflectir brevemente. A festa de Natal coincide, no nosso hemisfério, com a época do ano em que o sol termina sua parábola descendente e começa a fase na qual se amplia gradualmente o tempo de luz diurna, segundo o percurso sucessivo das estações. Isto ajuda-nos a compreender melhor o tempo da luz que prevalece sobre as trevas. É um símbolo que evoca uma realidade que afecta o íntimo do homem: refiro-me à luz do bem que vence o mal, do amor que supera o ódio, da vida que vence a morte. Natal faz pensar nesta luz interior, na luz divina, que nos volta a apresentar o anúncio da vitória definitiva do amor de Deus sobre o pecado e a morte. Por este motivo, na novena do santo Natal que estamos vivendo, há muitas e significativas referências à luz. Recorda-nos também a antífona cantada no início do nosso encontro. O Salvador esperado pelos povos é saudado como «Astro nascente», a estrela que indica o caminho e guia os homens, andantes entre as escuridões e os perigos do mundo para a salvação prometida por Deus e realizada em Jesus Cristo. Ao preparar-nos para celebrar com alegria o nascimento do Salvador, nas nossas famílias e nas nossas comunidades eclesiais, enquanto uma certa cultura moderna e consumista tenta fazer desaparecer os símbolos cristãos da celebração do Natal, assumamos todos o compromisso de compreender o valor das tradições natalícias, que formam parte do património da nossa fé e da nossa cultura, para transmiti-las às novas gerações. Em particular, ao ver as ruas e praças das nossas cidades adornadas com luzes resplandecentes, recordamos que estas luzes evocam outra luz, invisível para os nossos olhos, mas não para o nosso coração. Ao contemplá-las, ao acender as velas das igrejas ou as luzes do presépio e da árvore de Natal em nossas casas, que o nosso espírito se abra à verdadeira luz espiritual trazida a todos os homens e mulheres de boa vontade. O Deus conosco, nascido em Belém da Virgem Maria, é a Estrela de nossa vida! «Astro que surge, esplendor de luz eterna, sol de justiça: vem, ilumina quem jaz nas trevas e nas sombras da morte». Ao assumir esta invocação da liturgia de hoje, peçamos ao Senhor que apresse a sua vinda gloriosa entre nós, no meio de todos os que sofrem, pois só nele podem encontrar resposta as autênticas expectativas do coração humano. Que este Astro de luz sem ocaso nos comunique a força para seguir sempre o caminho da verdade, da justiça e do amor! Vivamos intensamente estes dias que precedem o Natal junto a Maria, a Virgem do silêncio e da escuta. Que Ela, que ficou totalmente envolta pela luz do Espírito Santo, nos ajude a compreender e a viver plenamente o mistério do Natal de Cristo. Com estes sentimentos, exortando-vos a manter viva a maravilha interior na fervorosa espera da celebração já próxima do nascimento do Senhor, desejo com alegria um santo e feliz Natal a todos vós, aqui presentes, a vossos familiares, a vossas comunidades e a vossos entes queridos. Feliz Natal a todos!

Eu assino por baixo! Bom Natal a todos! =)
Beijinhos e abraços!

blogger

sexta-feira, 23 de dezembro de 2005

senzitos... UM SANTO NATAL!!!



blogger

em directo do convento dos capuchos

---------- Forwarded message ----------
From: Ana Margarida Martins
Date: 23-Dec-2005 11:27
Subject: Feliz Natal
To: Mariana Vaz Serra


Cara Mariana,

Esperamos que estejam todos bem e que, na aproximação do Natal, tragam os corações cheios de alegria!

Gostávamos muito de vos enviar um postal de boas festas, até porque adorávamos partilhar convosco um pedacinho do "Convento Natalício"... Caso possam, por favor digam-nos para que morada devemos endereçá-lo.

Até lá, fica aqui a nossa mensagem de alegria e de felicidade para todos os Senzas e para o Frei Bernardo!

Um santo Natal para todos,
Paz e Bem!

Em nome dos vossos amigos do Convento de Santa Cruz de Sintra

blogger

quarta-feira, 21 de dezembro de 2005

missa de Natal das ejNS

Senzas!
Amanhã, dia 22 de Dezembro, Missa de Natal das EJNS, às 19h em Santa Isabel...Todos convidados a ir!!

blogger

Programa BEATO!!!!

Venho por este meio anunciar que dia 23 de Dezembro, 6ª feira, realizar-se-á uma belíssima reunião de amigos, com o seguinte programa:

12h00- Santa Missa, na Igreja de Nossa Senhora do Carmo, Alto do Lumiar - Com a presença dos Pe.s Duarte da Cunha e Duarte de Sousa Lara, em princípio o Pe. Nuno Serras Pereira também...

Depois da Missa almoço num restaurante ainda a definir, mas muito provavelmente num chinês perto da igreja...

É uma reunião para todas as pessoas de Fé e de boa vontade!!! Apareçam a tragam amigos!!

Digam-me alguma coisa para ter uma ideia de quem vai, sff. beijinhos mariana




blogger

segunda-feira, 19 de dezembro de 2005

homilia de Natal

Antecipando-nos uns dias, aqui temos a homilia de Natal do "nosso" Frei Bernas!

Hoje é Natal. Ontem foi Natal. Amanhã será Natal. Natal: a festa do perdão recebido que se torna perdão dado. Natal: a festa do Deus feito menino, do Deus amor. O Deus que convida meninos, adolescentes, jovens, adultos e adultos maiores a serem como Ele. Natal: a festa do perdão recebido que se torna perdão dado. No princípio Jesus estava na presença de Deus. Por meio d’Ele tudo foi feito. Nele estava a vida e a vida era a luz dos homens. A luz brilhou nas trevas, e as trevas não a apagaram. Uma luz maior que todas as trevas. Uma luz que veio para todos. Muitos não a receberam, outros ignoram-na, mas ela brilhou, brilha e brilhará sempre. Uma luz maior que todas as trevas. O perdão recebido que se torna dado é maior que tudo. Jesus é a Luz que veio ao mundo para nos iluminar, para nos colmar da sua força de amor, para nos tornar filhos de Deus (Jo 1,12). Filhos de Deus? Sim. Jesus veio ao mundo para nos tornar filhos de Deus. Jesus veio para nos dar a vida que não depende dos laços de sangue, dos impulsos da carne, nem da vontade de um homem, mas de Deus. Jesus dá-nos a vida de Deus.Deus fez-se homem. Nós contemplamos a sua glória, a glória do Filho Unigénito do Pai, cheio de graça e de verdade. Nós participamos da Sua plenitude, recebendo graças sobre graças. A Lei foi dada por Moisés, a graça e a verdade vieram-nos pelo menino Jesus. O menino Jesus do seio do Pai habita entre nós e dá-nos a conhecer o Seu Pai. Ainda que fora perseguido mal nascera, ainda que os Seus familiares e amigos nem sempre o compreendessem, ainda que viesse a ser traído, perseguido e injustamente condenado, viveu, vive e viverá sempre a Sua festa e esta nos propõe: a festa do perdão recebido que se torna perdão dado. Ainda que famílias continuem sem se entenderem, ainda que prevaleçam guerras e injustiças, ainda que muitas crianças morram sem ver o sol nascer, ainda que muitos pobres sofram o frio e a fome, ainda que tanta infidelidade e mentira paire, ainda que muitos sabedores continuem ignorantes, hoje é Natal: a festa do perdão recebido que se torna perdão dado. Será isso possível? A própria Mãe de Jesus, Maria santíssima, perguntou ao anjo: “Como será isso possível?” O Natal é a festa do impossível para o apenas humano, mas do possível de Deus em nós. Deus chama-nos a vivermos, partilharmos e celebrarmos o impossível. Mas como? Com a força do Espírito Santo. O anjo responde-nos como a Maria: “O Espírito Santo virá sobre ti, porque nada é impossível a Deus.” O modo mais sublime de celebrar o Natal é contemplar rendido as obras impossíveis que Deus faz em mim, nos meus familiares, amigos, irmãos e vizinhos. É importante construir presépios, trocar prendas, partilhar com os pobres, estar à mesa com os familares, celebrar a missa do Galo. Claro que é importante. Mas, o essencial é deixar que o Deus faça em mim as Suas obras, a Sua festa. O essencial é que o perdão recebido se torne dado. Maria disse ao anjo: “Eis a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra.”Se cada vez que me maltratarem rendido à força do Teu Espírito for instrumento de perdão será Natal. Se cada vez que falhar rendido à força do Teu Espírito me levantar para prosseguir na santidade será Natal. Se cada vez que não tiver forças rendido à força do Teu Espírito agir no bem será Natal. Se cada vez que fizer o bem rendido à força do Teu Espírito assim perseverar será Natal. Haverá em mim e no mundo graça sobre graça. Defronte ao amor de Deus a rendição é o primeiro passo para a salvação, a santidade e a comunhão. Deixa que Deus opere em ti, observa as Suas obras em ti e verás!O Natal não ficou para a história pelo recenseamento do Imperador romano César Augusto, pela mestria e generosidade dos magos, pela teimosia e indisponibilidade dos habitantes de Belém, pela indiferença dos familiares e amigos de Maria e José, pelas maravilhosas aparições dos anjos, nem pelo encanto e curiosidade dos pastores. Não! O Natal ficou para a história porque a força do Espírito Santo foi recebida e gerou o Filho de Deus, no impossível humano concretizou-se o luminoso amor de Deus.Eis-nos aqui Senhor, faça-se em nós segundo a Tua palavra. Queremos rendidos à força do Espírito Santo ser salvos como os pastores, caminhar na santidade como magos, operar com o mesmo amor de Teu Pai. Natal é deixar que o Espírito Santo faça em nós os Seus impossíveis. Natal é deixar que Deus habite em nós, nos nossos lares e comunidades.A autêntica prenda que posso oferecer hoje é o perdão que recebi. A coisa mais certa e possível que posso realizar é o impossível de Deus em mim. Uma realidade dada olhos nos olhos. Que formosos são os pés do mensageiro da paz que apregoa a boa-nova e proclama a salvação! As sentinelas gritam, porque vêem o Senhor fazer irromper das ruínas, destroços, angústias, ressentimentos e frustações cânticos de alegria e consolação pela força do Seu Espírito Santo.O menino Jesus revela-se hoje e sempre a todos os confins da terra. Deus lembra-se sempre do Seu amor filial em favor da humanidade. Aclamai o Senhor, terra inteira, exultai de alegria e cantai. Hoje, Deus fala-nos por meio do Seu Filho, resplendor da Sua glória. Ele quer que sejamos nós o esplendor da Sua glória, os mensageiros da Sua paz, as sentinelas do Seu perdão. A luz maior que todas as trevas. O impossível mais certo que todo o possível. O perdão recebido que se torna dado.

blogger

domingo, 18 de dezembro de 2005

Jantar de Natal de Senzas

Meus amores, que tal jantar senzástico de Natal na 6ª feira?

blogger
Que dia é hoje???

blogger

quinta-feira, 15 de dezembro de 2005

Ainda S.João da Cruz


A vida de S. João da Cruz é magnífica e desconcertante. Nasceu em Fontiveros, província de Ávila (Espanha) pelo ano de 1542. O seu nome de baptismo era João de Yepes (o contrário de Nepes), e, juntamente com a também doutora da Igreja S.Teresa de Ávila, reformou a Ordem Carmelita. O texto seguinte foi tirado de um site brasileiro...


João era vinte e sete anos mais jovem do que sua amiga S. Teresa de Ávila, que o chamava de seu “pequeno Sêneca”, por causa da sua baixa estatura. Amavelmente S. Teresa o chamava de “meio homem”, mas não hesitava em considerá-lo pai de sua alma. Dizia que não era possível conversar com ele sobre Deus sem vê-lo em êxtase. S. João da Cruz foi grande mestre da vida espiritual. O resumo de sua vida monástica estava nessas palavras: “Não faça coisa alguma, nem diga palavra alguma, que Cristo não faria ou não diria se encontrasse nas mesmas circunstâncias de você, e tivesse a mesma saúde e idade suas. “Nada peça a não ser a cruz, e precisamente sem consolação, pois isso é perfeito”. “Renuncie aos seus desejos e encontrará o que o seu coração deseja”. Aos vinte e um anos de idade ingressou na Ordem dos Carmelitas.
Foi atacado por uma grande desilusão pelo relaxamento da vida monástica em que viviam os conventos carmelitas. Em dado momento encontrou-se com S. Teresa D’Ávila, a reformadora do Carmelo feminino, passando a fazer o mesmo junto ao Carmelo masculino. Nessa época era um jovem frade de 26 anos, extremamente sério, físicamente franzino. Logo em seguida fundou em Durvelo o primeiro convento dos carmelitas descalços. Foi então que mudou o seu nome para João da Cruz. Essa volta à mística religiosidade do deserto custou ao santo maus tratos físicos e difamações, chegando a ser preso em 1577 por oito meses, no cárcere de Toledo. Foi exatamente aí que floresceu a sua grande poesia espiritual. Escreveu “A noite escura da alma”, “A subida do monte Carmelo”, “Cântico espiritual”, e “Chama de amor viva”.


S.João de Cruz foi um dos maiores místicos da História da Igreja, por isso é normal que os seus pensamentos nos toquem a alma e o coração:

"O amor consiste em despojar-se e desapegar-se, por Deus, de tudo o que não é Ele."
"Para possuir Deus plenamente, é preciso nada ter; porque se o coração pertence a Ele, não pode voltar-se para outro."
"Para buscar a Deus, requer-se um coração despojado e forte, livre de tudo o que não é puramente Deus."
"Que felicidade o homem poder libertar-se da sensualidade! Isto não pode ser bem compreendido, a meu ver, senão por quem o experimentou. Só então verá claramente como era miserável a escravidão em que se estava."
"Adquire-se a sabedoria através do amor, do silêncio e da mortificação; grande sabedoria é saber calar e não inserir-se em ditos ou fatos e na vida alheia."
"O amor não consiste em sentir grandes coisas, mas em despojar-se e sofrer pelo Amado."
"Quem não busca a cruz de Cristo não busca a glória de Cristo."
"Quando tiveres algum aborrecimento e desgosto, lembra-te de Cristo crucificado e cala-te."
"Quando tiveres teus desejos apagados, tuas afeições na aridez e angústias, e tuas faculdades incapazes de qualquer exercício interior, não sofras por isso; considera-te feliz por estares assim. É Deus que te vai livrando de ti mesmo, e tirando-te das mãos todas as coisas que possuis."
"O que busca satisfação em alguma coisa não está livre para que Deus o plenifique de seu inefável sabor."
"Ainda que estejas no sofrimento, não queiras fazer a tua vontade, pois terás assim o dobro de sofrimento."
"A alma que verdadeiramente ama a Deus não deixa de fazer o que pode para achar o Filho de Deus, seu Amado. Mesmo depois de haver empregado todos os esforços, não se contenta e julga não ter feito nada."
"A alma que busca a Deus e permanece em seus desejos e comodismo, busca-o de noite, e, portanto, não o encontrará. Mas quem o busca através das obras e exercícios da virtude, deixando de lado seus gostos e prazeres, certamente o encontrará, pois o busca de dia."
"A mosca que pousa no mel não pode voar; a alma que fica presa ao sabor do prazer sente-se impedida em sua liberdade e contemplação."
"Por causa de prazeres passageiros, sofrem-se grandes tormentos eternos."
"Quem se queixa ou murmura não é cristão perfeito, nem mesmo bom cristão."
"Quem souber morrer a tudo terá vida em tudo."


blogger

quarta-feira, 14 de dezembro de 2005

HJ é dia de São João da Cruz

A doutrina de João da Cruz é plenamente fiel à antiga tradição: o objetivo do homem na terra é alcançar “Perfeição da Caridade e elevar-se à dignidade de filho de Deus pelo amor; a contemplação não é um fim em si mesma, mas deve conduzir ao amor e à união com Deus pelo amor e, por último, deve levar à experiência dessa união à qual tudo se ordena”. “Não há trabalho melhor nem mais necessário que o amor”, disse o Santo. “Fomos feitos para o amor”. “O único instrumento do qual Deus se serve é o amor”. “Assim como o Pai e o Filho estão unidos pelo amor, assim o amor é o laço da união da alma com Deus”.
O amor leva às alturas da contemplação, mas como o amor é produto da fé, que é a única ponte que pode salvar o abismo que separa a nossa inteligência do infinito de Deus, a fé ardente e vívida é o princípio da experiência mística. João da Cruz costuma pedir a Deus três coisas: que não deixasse passar um só dia de sua vida sem enviar-lhe sofrimentos, que não o deixasse morrer ocupando o cargo de superior e que lhe permitisse morrer humilhado e desprezado.

Faleceu no convento de Ubeda, aos quarenta e nove anos, à meia-noite do dia 14 de dezembro de 1591, após três meses de sofrimentos atrozes. Seu corpo foi trasladado para Segovia em maio de 1593. A primeira edição de suas obras deu-se em Alcalá de Henares, em 1618. No dia 25 de janeiro de 1675 foi beatificado por Clemente X. Foi canonizado em 27 de dezembro de 1726 e declarado Doutor da Igreja em 1926 por Pio XI . Em 1952 foi proclamado "Patrono dos Poetas Espanhóis".


blogger

terça-feira, 13 de dezembro de 2005

Frase do dia

De que te vale ficar de braços cruzados se o maior Homem do mundo morreu de braços abertos?

blogger

Hoje agradeço a Deus...

Eu agradeço a Deus...

Por todos os exames que tenho que fazer,
porque isso significa que posso estudar...

Pela sombra que segue, porque isso
significa que ando ao sol...

Pelas paredes que precisam de ser pintadas,
pelas lâmpadas que têm que ser mudadas,
porque isso significa que tenho uma casa...

Por todas as críticas que faço às coisas que
não me satisfazem, porque isso significa
que tenho liberdade de expressão...

Pela senhora que canta desafinadamente ao
meu lado, porque isso significa que posso ouvir...

Pelo cansaço que sinto ao final do dia,
porque isso significa que tenho saúde para trabalhar...

Pelo despertador que toca às primeiras
horas da manhã, porque isso quer dizer que estou VIVO!


blogger

segunda-feira, 12 de dezembro de 2005

Enfeitar o coração

[...]
O principezinho voltou no dia seguinte .
-Era melhor teres vindo à mesma hora, - disse a raposa. Se vieres, por exemplo, às quatro horas, às três já eu começo a ser feliz. E quanto mais perto for da hora, mais feliz eu me sentirei . Às quatro em ponto já hei-de estar toda inquieta e agitada: é o preço da felicidade! Mas se chegares a uma hora qualquer, eu nunca saberei a que horas é que hei-de começar a arranjar o meu coração, a vesti-lo, a pô-lo bonito... São precisos rituais.
(Antoine de Saint-Exupéri, em O Principezinho)
Nós sabemos quando é que Aquele que nos faz feliz chega! Está na altura de enfeitar o nosso coração, de o embelezar para recebermos o Menino que vai nascer. O Menino que Se tornou Pão da Vida para o mundo, que Se entrega na Eucaristia, vai chegar pequenino, frágil, humano... Embelezemos o nosso coração! E que essa beleza resplandeça no mundo inteiro!
(não fui eu que fiz a analogia com o Principezinho, foi o Pe Armindo! 'tá bonito, hem?)


blogger

sexta-feira, 9 de dezembro de 2005

ainda sobre os crucifixos nas escolas...

Polémica desnecessária

O tema é antigo e necessariamente discutível. A polémica é recorrente e desnecessária. Injectada na opinião pública desta forma, remete a discussão para o registo antagónico do jacobinismo mais agressivo e da beatice mais bacoca.

Recordo o dia em que visitei, poucos dias depois da abertura, o canal de televisão de "inspiração cristã", conhecido então como "a televisão da Igreja". Quando entrei na redacção, alguém apontou para o crucifixo colocado na parede para dizer "estou para ver quando tiram o gajo dali".

O debate não se deve fazer ao nível da imposição ou consentimento dos símbolos religiosos na esfera pública - embora a Constituição da República possa induzir algumas ambiguidades para leitores de má fé -, mas de perceber as mudanças na sociedade e prevenir falsos conflitos.

Por um lado, sendo a escola um espaço público, deve ser reflexo da complexidade plural da sociedade e fará sentido lá estar o(s) símbolo(s) religioso(s). Por outro, sendo igualmente um espaço público que garante a igualdade de direitos, não deverá ferir a susceptibilidade de quem se sinta "ofendido" com a presença do(s) símbolo(s).

A laicidade implica a separação objectiva entre o Estado e as religiões, mantendo a equidistância e o respeito pelo fenómeno religioso. Caso contrário, o desequilíbrio entre as duas dimensões tenderá sempre para a exclusão do "íntimo", o que significa a deturpação total dos princípios de cidadania, de participação e de co-responsabilidade. Ao excluir a dimensão "religiosa" - seja o que isso for na experiência vivencial ou na intimidade - da visibilidade pública, o Estado estaria a violar os seus próprios deveres básicos.

A questão dos crucifixos nas escolas - leia-se o editorial de António José Teixeira no Diário de Notícias de dia 30 de Novembro - não deve ser interpretada como uma atitude intolerante do Estado perante a religião maioritária, mas o enquadramento da polémica já agitou funestos estigmas que o tempo tarda em apagar. Até que ponto a retirada dos símbolos religiosos das escolas não será a abertura de uma "caixa de Pandora" que, noutros casos, se revelou social e culturalmente trágica?
Devem seguir-se todos os outros espaços públicos?
Deve aplicar-se apenas aos espaços públicos fechados ou também à rua?
As estátuas com temática religiosa, que ornamentam jardins e praças, devem ser retiradas?
As manifestações públicas de fé devem ser proibidas?
Os feriados de origem religiosa devem acabar?
Passa a ser legítimo invocar "ofensa" para obrigar alguém a tirar o colar, o "pin" ou o brinco com um símbolo religioso?
A mulher muçulmana pode usar o véu?
A freira tem descobrir a cabeça e o padre tem de tirar o "cabeção"?
As igrejas devem ser "tapadas"?
A mesquita deve tirar o quarto crescente?
As apresentadoras da televisão pública não podem usar símbolos religiosos? Nem despedir-se dizendo "até amanhã se Deus quiser"?
Devem acabar os tempos de emissão atribuídos às religiões nos canais públicos? E as missas?
Os canais públicos devem transmitir uma celebração religiosa?
Os sinos deixam de tocar?
Os cemitérios devem ser "limpos" dos símbolos religiosos?
Que fazer ao Cristo Rei?
A Assembleia da República deve mudar de sede?

Algumas destas perguntas, ouvidas por estes dias, roçam o absurdo - até porque estão esclarecidas na Constituição - mas no exagero da abordagem retórica esconde-se a legitimidade de uma preocupação. "Importa que a mudança, não se confunda com intolerância", lembra António José Teixeira no editorial atrás referido.

A polémica está na fronteira de um debate sensível e, neste momento da vida política e social portuguesa, envolve outros "pormenores" que passam despercebidos da opinião pública.

Sem o contexto do debate sério e do bom senso, a retirada dos símbolos religiosos das escolas públicas pode desencadear um atentado cultural.

A religião segue o percurso da própria humanidade, dos seus dramas e esperanças, e ganha expressão simbólica. Está no substrato da cultura e, por conseguinte, da tradição.

Tal como a nacionalidade, não há religiosidade sem a dimensão do simbólico. Seja um templo, um altar, um estandarte, uma bandeira, uma fotografia, uma espada, um compasso, uma árvore, um peixe, uma vaca, um deus mitológico, a memória de um espaço, um momento, uma pessoa, uma estrela, a lua, o sol ou a cruz.

"As paredes são espelhos do tempo. Não são imutáveis". O Estado democrático é chamado, em cada momento, a congregar e não a segregar, mas quando legisla no sentido da exclusão sobre direitos e liberdade de consciência (veja-se o exemplo francês) corre o risco de não respeitar a liberdade e censurar a consciência.

Construir a harmonia na pluralidade é um desafio de todos os tempos.

Joaquim Franco Jornalista SICONLINE


blogger

quinta-feira, 8 de dezembro de 2005

Parabéns...

... aos dois equipistas que hj se vão casar!!! :)

" O matrimónio existe para que aqueles que o contraem se santifiquem nele e através dele. Para isso os cônjuges têm uma graça especial que o sacramento instituído por Jesus Cristo confere. Quem é chamado ao estado matrimonial encontra nesse estado - com a graça de Deus - tudo o que é necessário para ser santo, para se identificar cada dia mais com Jesus Cristo e para levar ao Senhor as pessoas com quem convive."

(S. Josemaria)


blogger

terça-feira, 6 de dezembro de 2005

provaoral.blogspot.com

Caríssimos Senzas e demais ilustres companheiros de caminhada,
Existe um programa na Antena 3, diariamente das 19h às 20h, com repetição por volta da altura em que o galo canta, cujos locutores são o Fernando Alvim e a Raquel qq coisa.
É um daqueles programas em que a malta liga pra lá e intervém em directo. Todos os ias tem um tema diferente e é sobre ele que as pessoas opinam. Muitas vezes está em estúdio um convidado que responde às questôes dos ouvintes. Em regra, o convidado é sempre contra tudo o que nós somos a favor (não oiço o programa assim tanto, por isso não posso confirmar).
Ora bem, muitas vezes são temas daqueles considerados fracturantes, tipo aborto, droga, etc. Acontece que a maioria dos ouvintes participantes são sempre com opiniões pró tudo o que for mau.
Porque é que eu falo disto aqui? Porque, além da intervenção telefónica, podemos comentar no blog deles, cujos comments são muitas vezes lidos pelo Fernando e Raquel. Ou melhor, são todos lidos, mas apenas alguns são reproduzidos no programa. Sobretudo os que têm graça e conteúdo. Estando em qualquer parte do mundo, mesmo sem estar a ouvir o programa, podemos ir lá contribuir para a felicidade deles.


blogger

Frase do dia

"A criação prossegue incessantemente por meio do homem, mas o homem não cria, -descobre."

(Antonio Gaudi)

blogger

segunda-feira, 5 de dezembro de 2005

Pensamentos eruditos

"O que tens a fazer antes de mais, caro Lucílio, é aprender a ser alegre. Estás a pensar que eu te quero privar de muitos prazeres ao afastar de ti os bens furtuitos, ao entender que devemos subtrair-nos ao doce canto das sereias que é a esperança? Pelo contrário, o meu desejo é que nunca te falte a alegria. O meu desejo é que a alegria habite sempre em tua casa; e fá-lo-á, se começar a habitar dentro de ti. Os outros tipos de alegria não satisfazem a alma; desanuviam o rosto, mas são superficiais. A menos que entendas que estar alegre é estar a rir! Não, a alma deve estar desperta, confiante, acima das contingências. Acredita-me, a verdadeira alegria é uma coisa muito séria!"

(Séneca, Cartas a Lucílio, III)

Huummm... isto lembra-me qq coisa!


blogger

Frase do dia

"Rezar não é meter cunhas a Deus, é abrir-se e receber o bem que d'Ele vier"

(Pe. Vasco Pinto de Magalhães)

blogger

domingo, 4 de dezembro de 2005

há 2000 anos...

... o Menino Jesus tinha acabado de nascer. Virou-se para o lado, vê a vaca. Vira-se para o outro, vê um burro.... e pensou para consigo: "aqui está, esta é a verdadeira companhia de Jesus".

Esta é especialmente para jesuítas... ehheheh lembrei-me pq uns de nós foram ao After Xav. Bom advento para todos! :)

blogger

sexta-feira, 2 de dezembro de 2005

Dúvidas

Sem querer suscitar um clima inóspito ou algo que se pareça, faço aqui uma pergunta que me perturba sempre que me defronto com a sua resolução:

Porque é que a Igreja Católica, como instituição, perdoa um ser humano que tenha morto alguém mas não perdoa o aborto/eutanásia e ainda o divórcio?

1º - Quero deixar desde já esclarecido que não sou a favor nem do aborto nem da eutanásia nem do divórcio (se bem que da eutanásia tenho algumas dúvidas, mas não apologista!)
2º - Para mim, para além de cátólico, que sou um ser humano incutido de questões morais/civis, não consigo perceber (e perdoem-me os extremistas) qual a hierarquia/critério para se perdoar determinada pessoa em conformidade com o "crime" que cometeu.
3º - Li ainda que, se num matrimónio católico houver razões para se divorciar e, se assim não o fizer, será aceite no acto de comungar. Contudo, se a decisão do divórcio for levada adiante, não serão (nem os pastores o devem permitir) levados a comungar por não estarem em comunhão com o Sr.

- Para quem não me fiz entender, a dúvida principal reside na incoerência (para mim, parece...)

- Poderia enumerar mais ou ainda outras dúvidas com que me deparo. É verdade que estar na dúvida é mau, mas, antes de me dirigir a qualquer um dos "pastores" que me possa responder, gostava de saber a vossa opinião. Dentro das vossas características, sempre sobressaíu uma: não terem dúvidas.

- Peço ainda que este post não seja reaccionário e alvo de respostas facciosas.

Abraço

blogger

quarta-feira, 30 de novembro de 2005

Morangos com Açúcar: Rendição inevitável ou combate necessário? - Madalena Fontoura


A massiva presença da novela "Morangos com Açúcar" exige um juízo e uma tomada de posição...

«O realismo exige que, para observar um objecto de modo a conhecê-lo, o método não seja imaginado, pensado, organizado ou criado pelo sujeito, mas sim imposto pelo objecto» (Luigi Giussani, O Sentido Religioso). Sugiro que sigamos esta indicação para perceber o fenómeno "Morangos com Açúcar".

Trata-se de um produto televisivo, por isso tem um conjunto de ingredientes típicos: como tudo na televisão, ao contrário do que se possa pensar, não pretende ser realista, mas sim ser um espectáculo, e não pretende dar informações, mas sim provocar emoções. Porque é dirigido ao lazer, a sua técnica consiste em apelar à lógica generalizada do lazer, ou seja, distrair; prescindir de qualquer esforço, especialmente o de pensar, e manter, o maior tempo possível, acesa a instintividade.

Porque o público-alvo são adolescentes e pré-adolescentes (embora possa atrair também crianças), importa relembrar algumas características típicas destas idades. Os adolescentes estão a experimentar a autonomia, mas ainda não sabem geri-la adequadamente; vivem um momento de explosão sensorial, sobretudo no que se refere a estímulos de natureza sexual; julgam-se invulneráveis a riscos, nomeadamente o de serem influenciados; estão a descobrir a capacidade de pensar logicamente, na qual se julgam independentes, mas não se apercebem de quanto assimilam e reproduzem chavões, que repetem julgando fazer afirmações de sua autoria.

Como formato, “Morangos com Açúcar” domina com mestria estes dois factores: produto televisivo e público-alvo. É uma telenovela, com particular intensidade de apresentação, tirando partido da dificuldade do seu público de gerir autonomamente e de forma adequada o seu tempo livre. Também joga com o desejo de autonomia típico dos adolescentes, já que os protagonistas são representados por actores mais velhos do que as idades que querem retratar, dando a ideia de que aquela idade corresponde a uma maturidade maior do que a real.

Tem um grafismo e cenários apelativos e cria uma atmosfera fantasiosa, onde quase todos os ambientes do quotidiano (escola e casa) são muito modernos, como se o comum das famílias portuguesas, em vez de decorações clássicas, optasse pelo último grito do design.

Na aparência das pessoas, nas conversas que têm e nos problemas que se lhes colocam há uma sobre-estimulação da sensualidade, o que tem um forte apelo nestas idades, especialmente por despertar também uma emoção de transgressão e clandestinidade. A superficialidade e o lugar-comum na abordagem dos temas aproveita a vulnerabilidade destas idades à assimilação de chavões, reforçando a tendência para a banalidade e pretensão de saber tudo.

Como conteúdo, o aspecto mais pernicioso parece-me ser o empobrecimento da ideia de adulto: os adultos de “Morangos com Açúcar”; ou são pessoas censuráveis e não fiáveis; ou são antipáticos e distantes; ou são laterais por passarem ao lado do que realmente interessa aos miúdos; ou são compinchas; ou são objectos sexuais. Os adolescentes, esses são senhores das suas vidas, porque, ou não têm uma autoridade que se afirme, ou enfrentam-na e vergam-na com sucesso. Acresce a sabida obsessão pela sexualidade: os adolescentes de "Morangos com Açúcar" são quase todos sexualmente activos (os que não são têm pena e a sua aparência é ridícula) e movem-se, na maior parte do tempo, por motivações sexuais.

Sublinho ainda a pobreza de valores: em "Morangos com Açúcar" é importante o não-racismo, a ecologia e a saúde pública. Tudo o resto é opcional e não absoluto. A existência e massiva presença de "Morangos com Açúcar" exige assim, um juízo e uma tomada de posição (a suposta não tomada de posição é, ao contrário do que pretende, altamente expressiva).

Deixo algumas mensagens subliminares que me parece que os Pais transmitem aos filhos quando se rendem à inevitabilidade desta novela: «Fazes o que queres: já tens idade para isso e não tenho o direito de interferir nas tuas escolhas»; «A nossa vida, a nossa casa e a escola que te escolhemos são cinzentas e sem graça; giras são as vidas, as casas e as escolas de "Morangos com Açúcar"» ; «Já estás crescido(a), por isso é normal que o sexo esteja no centro das tuas preocupações: vive a vida, faz as tuas experiências, mas toma cuidado com as doenças»; «Os valores que te transmitimos são os nossos, mas são tão bons como outros quaisquer; cada um tem que encontrar os seus»; «Não é preciso estar sempre a aprofundar tudo e em geral as coisas são tal e qual o que parecem»; «Uma telenovela é de facto algo de irresistível, compreendo que não passes sem "Morangos com Açúcar" Podes ver desde que faças antes os TPC»; «Veste-te como quiseres, és jovem, tu é que sabes o que se usa, não te quero forçar ao meu gosto nem tenho nenhum critério para te dar nessa matéria».

O que sugiro é a clareza de uma escolha e a coragem de a levar até às ultimas consequências: que podem passar por banir a televisão, proibir simplesmente de ver "Morangos com Açúcar" ou outras versões mais negociais. Lembro que quanto mais pequenos são os filhos mais os ajuda e protege uma posição firme. E posso prometer em nome da minha experiência profissional, que não ver ”Morangos com Açúcar”, ainda que todos os meninos da escola vejam, não causa traumas, nem provoca exclusão.

Como educadores, o que está em causa é a proposta de uma certeza. Não uma certeza de não errar, mas «a certeza como significado e como horizonte, como fonte de energia e como apoio e, portanto, como capacidade de atravessar qualquer contradição e obscuridade» (Luigi Giussani, Educar é um Risco). Remar contra a corrente é árduo, às vezes parece impossível, mas devemos aos que nos foram confiados a comunicação da totalidade do que encontrámos. Devemos-lhes essa provocação à vida.

in Revista Passos, Ano XI, nº 9, Outubro 2005


blogger

terça-feira, 29 de novembro de 2005

QUARTA-FEIRA - Envelopagem da partilha de Dezembro

Hey people!!!

Amanhã, QUARTA-FEIRA, tudo na Envelopagem da Partilha de Dezembro :)

21h30, Av. Roma nº96 4º Esq.

Um cheirinho da próxima edição, brevemente em tua casa...


um grande abraço,

pguedes


blogger

segunda-feira, 28 de novembro de 2005

SNOWTRIP 2006 Baqueira

Caríssimos senzas!

A Nova agência Francisca, Afonso, Hugo & Associados - Sociedade das Neves import - export vem por este meio convidar toda a gente interessada neste mega projecto - atractivo, simpático, cómodo, barato, agradável, estupendo, fantástico, incrível, inovador, soberbo:

SNOWTRIP 2006
Dias : Domingo, 5 de Março a Domingo 12 de Março (Partida e chegada);
Local: Baqueira/Beret/Bonaigua



para mais informações, mailem-me ou hablen conmigo porfa.

[respostas até 5 de Dezembro]



abrazos

blogger

O Crucifixo nas Escolas

O Crucifixo nas Escolas

Nuno Serras Pereira
28. 11. 2005

1. Desde há muito que para mim era evidente o propósito de substituir o crucifixo nas escolas pelo preservativo, e o capelão, director espiritual ou professor de religião e moral pela APF e seus comparsas, isto é, pelo pervertedor sexual. Por isso, a notícia da directiva ou decisão do Ministério da Educação, não me surpreendeu absolutamente nada. A partir do momento em que o Estado assume tiranicamente o papel de doutrinador materialista e naturalista só se pode esperar que seja coerente com essa lógica intrinsecamente perversa explicitando desaustinadamente o confessionalismo aberrante implícito nas penetrações obscenas da inocência, violada pela imunda “educação” sexual e outras ignomínias lambodas. Neste sentido, não teria sido, porventura, prudente que fosse a própria Igreja a antecipar-se exigindo a retirada dos crucifixos em nome do pudor, para que, ao menos, as desvergonhas descaradas não se cometessem diante das imagens do seu Senhor? Quem sabe se isso não teria despertado a consciência dos fiéis e das famílias para as malvadezes que a cainçalha ignobilmente perpetra contra os seus filhos? Não poderia esse choque provocar um tumulto, uma rebeldia, contra a matula totalitária?

2. Argumentar com a separação entre a Igreja e o Estado é uma insânia, um desvairamento. De facto, essa separação que se aplica a outras tantas realidades, não suscita qualquer escrúpulo a esse respeito. Pois não há ruas com nomes de maçónicos e estátuas com as suas figuras? Não estão as escolas invadidas pela ideologia técnica que nelas se ensina e pratica? Não autoriza o Estado que as vias públicas sejam infestadas de capital privado através de publicidade, tantas vezes indecorosa e não raro utilizando símbolos religiosos para transmitir, tantas vezes sacrilegamente, mensagens opostas ao que eles significam? Não veiculam a RTP e a RDP, ideologias, visões agnósticas, ateias, etc?

Depois, o Estado não é mais do que a sociedade que se constitui em parte (o Estado está para a sociedade como a parte para o todo) organizando-se politicamente com o objectivo de servir o bem comum, isto é, o bem de todos e de cada um. Donde o Estado existe para cuidar subsidiariamente da pessoa e da sociedade que o precedem e não para as controlar, dominar e oprimir. Uma vez que Portugal é um país que desde a sua origem é católico e que a maioria do povo português se reconhece nesta confissão, o propósito de sanear Jesus Cristo das escolas só poderá ser entendido como uma violenta agressão à nossa cultura, à nossa história e, principalmente, à liberdade religiosa, direito fundamental que merece o máximo respeito.

3. Recebi, creio que ontem, umas mensagens de correio electrónico propondo uma manifestação contra a retirada dos crucifixos, suponho que depois de amanhã, diante do Ministério da Educação. Salvo melhor opinião e sem intenção alguma de desmobilizar seja quem for, não me parece boa ideia. Pelo contrário, considero bem mais interessante a sugestão do sítio www.pensabem.net disponibilizando uma propositura de mensagem para ser enviada a algumas autoridades do país – Ministra da Educação, Primeiro-ministro e Presidente da Assembleia da República. No entanto, creio que se poderia ir, ainda, mais longe. É certo que os nossos bispos se irão pronunciar, através do Conselho Permanente da Conferência Episcopal, e que importa estar disponíveis e prontos para acolher e seguir as orientações que creiam por bem dar-nos. Não obstante, há coisas, e esta é seguramente uma delas, que clamam pela responsabilidade imediata e directa dos fiéis leigos, os quais não só podem como devem ter iniciativas concordes com o juízo prudencial que realizam. Neste sentido, a minha proposta é que as famílias e os jovens considerem a hipótese de levarem ao pescoço, por fora da roupa, crucifixos bem visíveis e que arranjem outros suficientemente grandes para fixarem nas paredes exteriores ou varandas de suas casas, de modo a serem perceptíveis da rua. Se o futebol foi capaz de encher Portugal de bandeiras, esperemos que o nosso amor a Deus e ao próximo seja capaz de inundá-lo de crucifixos.

4. Parece, porém, que no que referi há uma contradição com as perguntas, formuladas ao princípio, interrogando-me se não seria melhor a Igreja ter-se antecipado para que as obscenidades nas aulas não se transformassem em blasfêmias. De facto, se os alunos vão para as escolas com crucifixos fora da roupa, bem expostos, não se vê como será possível evitar esses desacatos. Será certo, mas eu creio que deste modo não só os estudantes se tornariam mais conscientes dos padecimentos do Crucificado, que carregou com todo o nosso enxurdeiro, como um avivamento da sua fé que acabaria por exorcizar os cães-tinhosos e porcos-sujos que por lá defecam e vomitam as suas infâmias.

blogger

sábado, 26 de novembro de 2005

reunião apresentação EJNS

meus queridos... quero partilhar convosco esta felicidade que me faz sorrir desde as 6 da tarde, -estavam 50 pessoas na reunião de divulgação das EJNS!
hj agradeço-lhe por ter, em segredo, chamado cada um daqueles miúdos e tb àqueles que foram arautos de Nossa Senhora nas escolas, nas igrejas, nos campos de férias, na noite...
Obrigada, Mãe! Ajuda-nos a recordar que tudo isto é por ti e para ti, que as Equipas são tuas e não nossas...!


blogger

Para todos nós...

"Talvez a galopante laicização da sociedade encontre também a sua causa nessa falta de testemunho vivo dos cristãos na sociedade.”
D. José Policarpo, Cardeal Patriarca de Lisboa

blogger
«Reivindicar o direito ao aborto e reconhecê-lo legalmente, equivale a atribuir à liberdade humana um significado perverso e iníquo: o significado de um poder absoluto sobre os outros e contra os outros. Mas isto é a morte da verdadeira liberdade».

João Paulo II, Evangelium Vitae, nº 20

blogger

sexta-feira, 25 de novembro de 2005

Ano Litúrgico/(Advento)

No arranque de um novo ano litúrgico, iniciado com o I domingo do Advento, fomos aprofundar um pouco este tema, numa entrevista com o padre Carlos Manuel Pedrosa Cabecinhas, licenciado em Liturgia. Actualmente, este padre diocesano desempenha funções na equipa formadora do Seminário Maior de Coimbra, sendo também director do Secretariado Diocesano de Pastoral Litúrgica e Música Sacra, e membro do Secretariado Nacional de Liturgia.Nesta pequena conversa, apresenta alguns dados históricos e teológicos sobre esta forma de organização da liturgia anual da Igreja e testemunha-nos, também, o modo como vive pessoalmente essa organização e como ela pode ser “pedagógica” para os fiéis.
O Mensageiro - O que é, em termos práticos, o ano litúrgico?
Pe. Carlos Cabecinhas - O ano litúrgico é a celebração, no decurso de um ano, de todo o mistério de Cristo. Toda a celebração cristã é sempre celebração de Jesus Cristo, mas tal celebração estende-se, de forma diferenciada, aos vários momentos do ano. No dizer de um liturgista italiano, “o ano litúrgico não é uma ideia, mas uma pessoa, Jesus Cristo e o seu mistério realizado no tempo” (Bergamini). Em termos práticos, é a forma como a Igreja nos propõe celebrar Jesus Cristo, com momentos de particular intensidade. Tem a duração de um ano solar, ao longo do qual nos vai sendo proposto todo um caminho de celebração e aprofundamento do conteúdo fundamental da fé cristã.
OM - Historicamente, como se chegou à definição do ano litúrgico?
CC - É claro que o ano litúrgico não conheceu sempre a estrutura e organização que hoje apresenta. Num primeiro momento, a única festa cristã foi a Páscoa, celebrada, quer uma vez por semana, no Domingo, quer, de modo mais solene, uma vez por ano. Assim, a mais antiga festa cristã é o Domingo, “Páscoa semanal”. Partindo daí, passa a dar-se particular relevo à celebração, uma vez por ano, da mesma festividade. Esta festa anual da Páscoa, celebrada com uma solene vigília, está testemunhada desde o século II. Esse núcleo festivo, a vigília, dará origem ao Tríduo Pascal e ao Tempo Pascal, os cinquenta dias que se seguem ao Tríduo. Só posteriormente se estabeleceu um período de preparação: a Quaresma. Já estava assim estruturado este ciclo festivo pascal quando, na segunda metade do século IV, surgiu o ciclo natalício. Para criar um certo paralelismo com o ciclo pascal, para a celebração do Natal e da Epifania foi criado um tempo de preparação: o Advento. Quer isto dizer que no século V o ano litúrgico já apresentava a configuração que hoje lhe conhecemos.
OM - Como está estruturado o ano litúrgico?
CC - Como se percebe pela breve apresentação da evolução histórica, o ano litúrgico tem três grandes ciclo: o ciclo pascal (Quaresma, Tríduo Pascal e Tempo Pascal), o ciclo natalício (Advento e Tempo do Natal) e o Tempo Comum, isto é, os restantes momentos do ano litúrgico que não pertencem a nenhum dos ciclos anteriores. É claro que haveria ainda a referir o chamado “Santoral”, o calendário das celebrações da Virgem Maria e dos Santos, que atravessa todo o ano litúrgico.
OM - De todos esses tempos e ciclos, qual o principal momento do ano litúrgico?
CC - O centro do ano litúrgico, o seu momento mais importante, é sem dúvida o Tríduo Pascal da paixão, morte e ressurreição de Jesus. No Tríduo, a celebração fundamental é a Vigília Pascal. Toda a Quaresma orienta para a vivência e celebração deste Tríduo, e o Tempo Pascal mais não é do que o prolongamento festivo dessa celebração. Em segundo lugar, em termos de importância, está a celebração do Natal. Curiosamente, a nível social, o Natal aparece como mais importante do que a Páscoa. Em terceiro lugar, destaco o Domingo, como celebração semanal da Páscoa.
OM - Qual lhe parece ser a sensibilidade dos fiéis para a vivência do ano litúrgico?
CC - O ano litúrgico apresenta uma estrutura complexa, o que dificulta a sua percepção, por parte dos féis, como unidade. Julgo que uma parte significativa dos cristãos não tem consciência clara do “ano litúrgico” como unidade. As celebrações sucedem-se e a sua sequência é conhecida, mas não se vai muito além disso. A consequência desta pouca percepção do ano litúrgico como unidade é a inversão da ordem de importância dos diversos momento. Um exemplo flagrante é o do ciclo pascal: tem mais relevo a Quaresma, período de preparação, do que o Tempo Pascal; no próprio Tríduo Pascal, não é raro ter igrejas cheias para a celebração da morte do Senhor, em Sexta-Feira Santa, mas bem menos gente na Vigília Pascal. Sinal desta insuficiente consciência do ano litúrgico como um todo orgânico é o relevo dado a algumas “devoções”, manifestações de piedade popular, em detrimento dos momentos do ano litúrgico. Contudo, esta insuficiente consciência não impede que muitos cristãos vivam intensamente os momentos mais importantes do ano litúrgico.
OM - Que aspectos litúrgicos e teológicos são enriquecidos pela organização do ano litúrgico?
CC - O ano litúrgico é, antes de mais, um modo de santificação dessa dimensão fundamental da nossa existência, que é o tempo. É um modo de tornar significativo, do ponto de vista cristão, o ciclo do ano. Habituámo-nos a quantificar o tempo com repartições matematicamente iguais (horas, minutos e segundos; dias, semanas, meses, anos). Nessa lógica quantificadora, todas as horas são iguais, todos os dias têm a mesma duração… O ano litúrgico dá “qualidade” a esse tempo, destacando alguns momentos; dá-lhes significado. Contudo, o ano litúrgico tem também uma motivação “pedagógica”: a celebração do mesmo Jesus Cristo num ou noutro momento permite-nos captar o sentido e aprofundar a inesgotável riqueza do Seu mistério, contemplado ora numa perspectiva, ora noutra.
OM - Qual a sua experiência de vivência do ano litúrgico?
CC - A pergunta parece-me vaga. De um modo geral, a minha experiência é a de que o ano litúrgico é um verdadeiro e eficaz “guia de vida cristã”: permite-me aprofundar a minha fé e alimentar a minha vida espiritual; põe-me em contacto com a Palavra de Deus e motiva o confronto da minha vida com ela, bem como uma “leitura cristã” dos acontecimentos da minha vida e do mundo que me rodeia; permite-me a saudável alternância entre momentos de grande intensidade e momentos de maior distensão.
OM - Que conselhos daria a quem pretende viver de forma mais consciente o ritmo do ano litúrgico?
CC - Precisamos de recuperar, antes de mais, a consciência da unidade do ano litúrgico e da relação dos vários momentos entre si. A nível prático: prestar particular atenção à Palavra de Deus, às leituras bíblicas que a liturgia nos apresenta em cada tempo do ano litúrgico, que é sempre um elemento fundamental para uma séria vivência dos vários momentos; deixar-se guiar pelos textos do Missal, que nos introduzem no espírito de cada tempo; valorizar, a nível pessoal e familiar, os diversos momentos festivos… A Liturgia das Horas oferece também uma grande riqueza de elementos que nos põem em sintonia com o momento do ano litúrgico que estamos a viver.
OM - O Advento é um tempo essencialmente de quê?
CC - O Advento é fundamentalmente um tempo de preparação para o Natal, marcado pela espera, pela expectativa. As Normas Gerais sobre o Ano Litúrgico apresentam o tempo do Advento como preparação para o Natal, no qual se celebra a primeira vinda de Cristo, e como tempo de expectativa da vinda gloriosa de Cristo. Não é um tempo penitencial, como a Quaresma, embora os convites à conversão, nas palavra de João Baptista e do profeta Elias, se façam ouvir insistentemente. Tempo de conversão, por ser tempo de preparação para a vinda do Senhor, é marcado porém pela “piedosa e alegre expectativa”, segundo as referidas Normas. Os modelos dessa expectativa da vinda do Senhor são, precisamente, João Baptista e Maria, a mãe de Jesus. Não há momento mais “mariano” no ano litúrgico do que o Advento e o Tempo do Natal.
OM - Como viver bem o advento?
CC - O Advento e o Natal têm sofrido um desgaste notável. De facto, o Advento cristão começa quando, há já muito tempo, se iniciou o grande “advento” comercial. Um tempo de preparação do coração pela conversão vê-se “afogado” em solicitações consumistas. Para viver bem o Advento será, pois, necessário cultivar a sobriedade em gastos natalícios, consoada e presentes… Viver bem o Advento será concentrar-se no fundamental – a preparação interior – dando ao acessório o seu lugar. A nível litúrgico, a vivência do Advento está marcada pelo convite à preparação para acolher o Senhor que vem, pela conversão, e à disponibilidade para a vontade de Deus, a exemplo de Maria, vontade que conhecemos sobretudo pela sua Palavra, a que importa dar lugar e atenção especial.


blogger

Viva o 25 de Abril!


Senzas a caminho de Assis há 7 meses...

blogger

Contar carneiros

Ontem aprendi por que razão nos dizem para contarmos carneiros quando temos insónias... às vezes dizemos coisas sem fazer ideia do sentido q têm, sei lá, mil coisas da sabedoria popular e mesmo palavras que chegaram até nós sem fazermos ideia do seu étimo, cm p exemplo, o "freguês" é o FILIUS ECCLESIAE, o filho da igreja.
Há quem diga q o meu curso n serve para nada, mt menos estas histórias, mas eu acho-as deliciosas!
Ora vamos lá...

Há mts anos atrás, na Idade Média, havia um rei que tinha um contador de histórias pessoal. Todos os dias à noite o contador contava 5 histórias. Houve uma noite em que o rei estava com insónias e pediu mais uma história... Mas o contador estava cheio de sono e ficou a pensar num meio de contornar a situação, até que teve uma ideia, - "Era uma vez um pastor que tinha que passar 1000 carneiros para a outra margem do rio, mas a barca só levava duas de cada vez. Vossa Majestade, contai os carneiros que atravessam o rio e eu logo contarei o resto da história."

Espertinho, hã?
Já sabem o q fazer quando os vossos filhos/sobrinhos/babysittings vos pedirem p/contar mil histórias à noite!

blogger

Afinal a crise até pode trazer qualquer coisa de bom!

A crise do Pai Natal

O mercado vive duma espécie de engodo. Comprar e vender é um acto livre que tem cálculos, contas, necessidades, desejos, ilusões, jogos, riscos, lucros, posse, rejeição. Isso pode acontecer num mercadinho de bairro ou no grande bairro do mundo onde as coisas se compram e vendem porventura com vista larga. Os governos já entenderam que nesta matéria não podem ser demasiado pródigos tanto em estímulos como em repressões ao que se chama consumo. Convidar a poupanças próximas do exíguo, paralisa uma comunidade que vive das suas trocas e circulações que suscitam trabalho e criatividade. Alimentar o vício do supérfluo pode conduzir a uma círculo fechado e estrangulador para uma economia que se julga em movimento. Como um mecanismo de água estagnada que ilusoriamente circula dentro do mesmo poço sem se renovar e enriquecer.Claro que tudo isto vem a propósito do Natal.

Dizemos vezes sem conta que a celebração do nascimento de Jesus nem de perto nem de longe se restringe a uma dobadoira de luzes artificiais que nada iluminam. Apenas divertem o olhar. Mas o facto é que alguma economia se reanima nesta quadra, e empresas há que não “sobrevivem” sem o Natal. Por isso, em tempo de escassez, assistimos a algumas iniciativas tíbias, sem saber se navegam no mar tradicional da ilusão ou são um real contributo para a saída da crise que já nos cansa e que queremos exorcizar.É essencial não perder os gestos de solidariedade, festa e partilha de afectos através de símbolos.
Talvez se possa reconverter a indústria da qualidade: investir mais no significado e menos no objecto que se compra – por prazer, necessidade, partilha, amizade, ou mesmo - e esse é o ponto mais digno - o que melhor celebra o Nascimento de Jesus. Se, com a crise, desaparecer o Pai Natal e toda a sequela de mitos que arrasta, não se perde grande coisa. Não é grave se ele for para o desemprego desde que se salve o sinal íntimo que pretende traduzir.

António Rego, in Ecclesia


blogger

quinta-feira, 24 de novembro de 2005

«Neste papel de anúncio da dignidade do homem e dos deveres de respeito que daí resultam, eles [os cristãos] serão provavelmente escarnecidos e odiados; mas o mundo não poderá viver sem eles».

Joseph Ratzinger, A Europa de Bento, p. 63

blogger

Hoje... 7 meses da 1ª missa dominical de Bento XVI




blogger

quarta-feira, 23 de novembro de 2005

A propósito de Padres no Banco dos Réus - Comunicado dos Juntos pela Vida

Foi com grande consternação que os Juntos Pela Vida souberam da condenação do Pe. Nuno Serras Pereira no âmbito de um processo-crime no qual este sacerdote vinha acusado da prática do crime de difamação, em resultado de uma queixa apresentada pela APF (Associação para o Planeamento da Família), alegadamente ofendida pelo artigo “Os Abortófilos”, publicado no jornal do Entroncamento dirigido pelo Padre José Luís Borga.

Queremos por isso publicamente:

1.
Manifestar a nossa solidariedade e total apoio ao Padre Nuno Serras Pereira. Sabíamos que em alguns países que vivem em democracia (EUA, Canadá e outros) a manifestação de uma opinião contrária à mentalidade dominante nos “media” pode provocar processos semelhantes e às vezes resultar em prisão. Verificamos agora que tal também pode suceder em Portugal.

2. Testemunhar, em virtude de termos assistido à audiência de julgamento, que no processo ficou demonstrado que:

a) A APF não se socorreu, junto do jornal do Entroncamento, do “direito de resposta” como legalmente lhe era garantido, reagindo assim em termos normais a um artigo de opinião com que pretensamente se terá “ofendido”;

b) A APF não pediu no processo qualquer indemnização cível;

c) A APF usou o processo apenas para exercer uma inaceitável pressão sobre o Padre Nuno Serras Pereira e outras pessoas que sobre a APF e quem defende o aborto, fazem o mesmo juízo ou avaliação.

d) Correspondiam à verdade não apenas as citações incluídas no artigo em causa, como as situações descritas no mesmo. Isto mesmo foi confirmado pela testemunha Maria José Alves (membro destacado da Associação).

3. Reafirmar que a APF é hoje, como o é desde longa data, uma organização cuja grande preocupação política é a obtenção do aborto livre em Portugal, conforme nomeadamente se pode verificar de qualquer abaixo-assinado movido pelo mesmo propósito, da presença sistemática dos seus membros nos debates sobre o aborto, em posição favorável ao mesmo, ou até de declarações de Duarte Vilar quando descreve em relatórios internacionais da IPPF a actuação da sua organização e a caracteriza como desempenhando um papel determinante nessa batalha política. Nenhum problema existe nesse facto se simultaneamente a APF não fosse a organização tentacularmente mais instalada a nível de aparelho de Estado, nas questões da educação sexual e planeamento familiar, e através dessa posição desenvolva uma actividade persistente de formação das mentalidades no mesmo sentido dos seus objectivos políticos.

4.
Acusar a APF de falta de cultura cívica e democrática. Ficou assim patente aos olhos de todos a intolerância que se esconde na posição de tantos tolerantes…

5. Lembrar que no debate político e naquele que versa sobre o aborto em especial, a temperatura da expressão sobe com frequência e que quem não é capaz de aguentar essas oscilações não deve frequentar essas paragens… Não é por acaso a palavra hipocrisia (que acreditamos é universalmente entendida como insultuosa) aquela que mais frequentemente é chamada à colação para descrever a atitude daqueles que se opõem ao aborto livre? E, apesar disso, há memória de algum processo judicial mandado instaurar por alguma dessas pessoas ou associações? Haja pois uma tolerância real, porque aquela da APF, já o sabíamos, passa sempre pela exclusão de alguém…

6.
Informar a APF e todas as pessoas e organizações que defendem o aborto livre que manobras de pressão como esta não nos atemorizam. Apesar de, aqui sim, parecer que há quem queira mandar os outros para a prisão, fiquem sabendo que, como dizia o poeta, haverá sempre alguém que resiste, haverá sempre alguém que diga Não!

7. Declarar o dia de hoje como um dia negro para a liberdade de expressão em Portugal. 30 anos depois do 25 de Abril há por aí uns senhores que se dão mal com a democracia e querem repôr o “lápis azul”.


Lisboa, 21 de Novembro de 2005

Contactos para a Comunicação Social: Pedro Líbano Monteiro (968574575) e António Pinheiro Torres (917233335)

blogger

Quem tem ouvidos, veja.

Aquele que resistir até ao fim será salvo

Enquanto temos tempo, trabalhemos para o bem de todos... Não nos cansemos de fazer o bem; a seu tempo virá a colheita, se não desistirmos

O amor é paciente, o amor é prestável, o amor não é ciumento; não se vangloria,,,. não se irrita, não alimenta rancor..., tudo suporta, tudo confia, tudo espera, tudo sofre

blogger

terça-feira, 22 de novembro de 2005

Carta Aberta ao Padre José Luís Borga

Nuno Serras Pereira
22. 11. 2005

Caríssimo José Luís,

Quando em meados de Novembro do ano passado li as tuas declarações ao jornal O Crime procurei saber quer junto do jornalista quer junto de ti se correspondiam ao que, de facto, tinhas afirmado. Como ambos o confirmaram, adverti-te, por mensagem particular, que não correspondiam à verdade (tu sabia-lo) e que eu tinha testemunhas (não podias ignorá-lo) que podiam desmentir-te. Esta foi uma das razões porque, aquando do julgamento, no dia 11 do corrente, fiquei atónito com as falsas declarações que prestaste. Não quis, porém, desmascarar-te publicamente, ainda para mais em ocasião tão solene. Atribuí essa atitude a um estado de temor e ansiedade passageiros, reflexionando que acabarias por cair em ti, continuando a ter-te presente nas minhas orações diárias.

Embora entre este verme que eu sou e Jesus Cristo haja uma distância muito mais que infinita, e apesar de S. Pedro durante a sua vida terrena não chegar aos teus calcanhares em termos de audiências, a verdade é que me lembrei dele e considerei que também tu poderias vir a ser seu sucessor, no Papado.

Hoje, no entanto, chamaram-me a atenção para a última página do DN e, confesso, que pela primeira vez fiquei seriamente preocupado. Uma vez absolvido, o que te levaria a persistir na mentira? Que poderei eu fazer para que voltes de novo ao Senhor que te olha com o mesmo amor e misericórdia com que olhou Pedro? Missivas particulares, já verifiquei, não resultam; a oração, pelos vistos, não basta; as condolências que te apresentei, depois de lida a sentença, foram inúteis…

Meditando então pausadamente os evangelhos descobri que estava cego, pois não vira o que tão claramente era manifesto – faltava o cocoricar do galo! Mas, uma vez que a minha voz não alcança o Entroncamento onde paroquias, resolvi-me a escrever esta carta aberta convidando todos os que a lerem, de Norte a Sul do País, a galicantarem em uníssono comigo cocorocó! Cocorocó!

Espero sinceramente que te seja de proveito, para que um dia cheio de reverência te possa oscular o anel de sucessor de Pedro.

Recebe um abraço amigo
Nuno Serras Pereira, ofm



blogger

segunda-feira, 21 de novembro de 2005

P. Nuno Serras Pereira Condenado, P. José Luís Borga Absolvido


O padre José Luís Borga foi absolvido nos termos em que o Ministério Público tinha pedido, como informámos a seu devido tempo.

O padre Nuno Serras Pereira foi condenado, por crime de difamação, em dois anos de prisão com pena remível a multa de um euro diário pelo espaço de cento e trinta dias. A Srª Juiza considerou que as frases difamatórias que atentatavam contra a honra da APF foram: "A IPPF, uma organização serial killer" e " ... a APF viola impunemente a lei quando lhe convém".

Terminada a leitura da sentença, o sacerdote que o tribunal deu por criminosos manifestou os seus pêsames ao seu confrade por não lhe ter sido concedida a graça de ser condenado injustamente, como Jesus Cristo o foi. Em seguida cumprimentou cordialmente o advogado da APF. Este confidenciou-lhe que estavam a tratar de outros processos contra diversas associações, não pronunciando porém os seus nomes. O padre Nuno convidou-o a esperar pelo próximo artigo e sorrindo despediu-se com um até à próxima.

Infovitae soube, ainda, que o padre Serras Pereira irá recorrer da sentença para a Relação.


blogger

domingo, 20 de novembro de 2005

dia 20 de Novembro - Santa Inês de Assis

Inês nasceu em Assis no ano de 1197 e no batismo recebeu o nome de Catarina. Seguindo o exemplo de sua irmã Clara, abraçou em 1212 a vida de pobreza. Por alguns anos ela exerceu a função de abadessa no mosteiro de Florença. Voltando a Assis, morreu pouco depois da irmã, provavelmente a 27 de Agosto de 1253.

ORAÇÃO - Ó Deus, que propusestes a numerosas virgens Santa Inês de Assis como exemplo de perfeição seráfica, concedei-nos imitar na terra as suas virtudes, e participar com ela das alegrias eternas. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

uma santa senza, ah pois tá claro!

blogger

sábado, 19 de novembro de 2005

Domingo XXXIV do Tempo Comum - Nosso Senhor Jesus Cristo Rei do Universo

"Este é o último Domingo do Ano Litúrgico. É também chamado Domingo de Cristo Rei. A ideia que primitivamente pesou na denominação deste Domingo foi de ordem temporal. Da parte da Igreja havia a esperança de que os Estados civis reconhecessem Cristo como Rei.
Os condicionalismos sociais e históricos modificaram-se por completo e foi então possível a celebração da festa de Cristo Rei, no seu verdadeiro contexto litúrgico e teológico. Cristo é efectivamente Rei, mas numa ordem diferente da temporal, como Ele mesmo afirmou.
A Igreja liberta-se de compromissos terrenos, a maior parte das vezes contrários à sua missão específica de evangelizadora e defensora dos fracos.

A realeza de Cristo reflete-se na Igreja, não no seu esplendor e poderio social, mas na vivência da justiça e da caridade."
in Missal Popular Dominical


Pois é amigos, está a acabar o ano, espero que já estejam a preparar o Réveillon Litúrgico!
O Advento está à porta, proponho prepararem-se e fazerem um plano para que este tempo pré-Natal seja vivido mesmo com o sentido do acolhimento do Menino Jesus. Se há altura do ano para se falar em aborto e campanhas e essas coisas é agora. Usem bem este tempo para isso! Sempre com oração!
Bejinhos e abraços

blogger

sexta-feira, 18 de novembro de 2005

Hoje, dia 18 de Novembro

Senzas
fazem
7 meses!!!
Que saudades...lembram-se das anedotas do Monsenhor Agostinho? ehehe


blogger

quarta-feira, 16 de novembro de 2005

Encontro de Responsáveis EJNS

q giro, a maioria dos senzas equipistas tem uma responsabilidade nas equipas... o q significa q vai haver alto convívio senza no ER, justamente numa altura em que se celebram 7 meses da chegada dos primeiros senzas a Roma...!

senzas n equipistas, n desanimem! tb há programa para vcs! q tal irem ter connosco a fátima, de onde seguiremos p/coimbra, onde se encontra o nosso querido noviço peter light? mais informações c a rodrigues.

beijinhos!

blogger

terça-feira, 15 de novembro de 2005

Guardem o dia 22 - Por Filipe o Belo no blog do lado

Dia 22 à noite, por volta das 21:30 vai haver uma conferência em Lisboa que promete esclarecer muitas das questões que temos discutido entre nós nas EJNS etc.
O tema será algo do género "A legitimidade do poder segundo a doutrina da Igreja" e o orador é o Dr. Hugo Chelo, que é professor na Católica.
Esta questão não é só teórica, liga com muitas questões reais que um dia poderemos ter que enfrentar: Posso deixar de pagar impostos a um estado que financia abortos? É legítimo pegar em armas contra um estado opressor? O tiranicídio é permitido? etc. etc.
A ideia não é discutirmos tudo outra vez, mas sim informarmo-nos do que a Igreja realmente diz ou tem dito sobre estes assuntos, para podermos estar mais informados.A ideia é ser uma conferência pequena, no máximo 50 pessoas. Guardem a data porque posso-vos garantir que vai ser interessante.
Os nossos irmãos Senzas estão obviamente convidados também. Não posso postar no blog deles, por isso se alguém me fizer o favor de colocar lá este aviso fico-vos muito agradecido.
Um grande abraço!
Filipe


blogger

A Arca de Noé... e a gripe das aves.



blogger

segunda-feira, 14 de novembro de 2005

depois de estar com ela na Sé e no Mte Estoril...

ficam algumas coisas...
"quero passar o meu Céu, a fazer o bem sobre a Terra."
a minha vocação é o Amor.
não quero ser Santa pela metade, escolho tudo.um só acto de amor nos fará conhecer melhor Jesus!
"Quando se quer atingir um fim, deve-se procurar os seus meios. Jesus me fez compreender que era pela cruz que Ele queria me dar almas e minha atração pelo sofrimento cresceu na medida em que o sofrimento aumentou".
sofrer é justamente o que me agrada da vida!
prestai atenção ao que faz Maria, imitai-a... e esse Deus de bondade recompensará a vossa fé.
é preciso que o Espírito Santo seja a vida do teu coração!


blogger

domingo, 13 de novembro de 2005

ICNE

ICNE!!!!
Que privilégio receber Nossa Senhora de Fátima, Sta. Teresinha do Menino Jesus, vários cardeais e um sem número de bispos, padres, seminaristas, etc! Obrigado, meu Deus, por tudo aquilo que nos dás, gratuitamente! Dá-nos coragem e ajuda-nos a retribuir-Te no nosso dia-a-dia, pondo a render os nossos talentos para Tua maior glória e alegria!
Senza é muito mais do que o simples significado literário que a palavra sugere...=)

blogger

quinta-feira, 10 de novembro de 2005

Padres na prisão, por delito de opinião?

Esta sexta-feira às 9h da manhã nos juízos criminais de Lisboa, situados na Rua Pinheiro Chagas nº20 (as instalações tinham mudado para perto do Castelo, mas penso que já voltaram à base) vão ser julgados o Pe. Nuno Serras Pereira e o Pe. José Luís Borga, por estarem ligados à publicação que denuncia as políticas pró-aborto da APF - o Pe. Nuno escreveu um artigo de opinião intitulado "os abortófilos" e o Pe. Borga apanhou-o na net e publicou-o num jornal do Entroncamento.

É triste que num país democrático seja crime, no século XXI, emitir juízos de opinião. Gostava de ver se a camarada Odete e o camarada-candidato Louçã também defendem esta gente inocente que é levada à barra dos tribunais.

É público e notório que a APF não é contra o aborto. Antes pelo contrário...


Fica, para terminar, um excerto da declaração de voto de 2 deputados do PS que pode ser lida, quando se tiver tempo, aqui.

O Decreto-Lei n.º 136/96, que estabelece o regime jurídico do fomento, exploração e conservação dos recursos cinegéticos, no seu artigo 22.º, proíbe o «capturar ou destruir ninhos, covas, luras, ovos e crias cinegéticas». Pela nossa lei, é crime destruir ovos de perdiz, pomba, rola... A Directiva do Conselho das Comunidades Europeias de 2 de Abril de 1979, relativa à conservação das aves selvagens, recomenda aos Estados-membros, no seu artigo 5.º, nomeadamente, que seja proibido «destruir ou danificar intencionalmente os seus ovos». Propõe-nos uma lista de cerca de 150 aves, especificadas em diferentes anexos, desde o milhano, ao peto preto, à frisada, à piadeira...

blogger

missa na sé

Hoje, missa para jovens na sé junto das relíquias de Sta Teresinha às 22.30h! Antes vai haver confissões a partir das 9.30.
Senzas todos lá!!!
Parabéns Guedes!!

blogger

quarta-feira, 9 de novembro de 2005

Hoje a Igreja celebra...

Hoje celebra-se a dedicação da basílica de São João de Latrão.
Sem dúvida uma festa senza.

blogger

terça-feira, 8 de novembro de 2005

Terço pelas EJNS live on RR

Senzas! Senzas das Equipas no activo! Comé q n puseram um post a avisar isto:

Esta semana, todos os dias até sexta-feira, a recitação do Terço transmitida pela Rádio Renascença às 18h30, em FM, Onda média ou via www.rr.pt para todo o mundo, é feita pelos equipistas, em directo, da Basílica dos Mártires recém restaurada, em Lisboa.

Esta semana, os equipistas em todo o mundo podem estar de viva voz unidos em oração.

Hoje deu para ouvir, entre outros, o Ala Zé, que tão boa conta deu de si em representação dos Senzas no primeiro jogo ante os Santiagrinos (o Pipos fez hoje as orações finais).

blogger

segunda-feira, 7 de novembro de 2005

domingo, 6 de novembro de 2005

Missa

Amanhã celebro o dom da vida; em virtude deste facto, os senhores cardeais responsáveis pelo grande evento q está a decorrer em Lx, o ICNE, decidiram celebrar amanhã nos Jerónimos às 11:30 uma missa em acção de graças pelos meus 22 anos de vida terrena. O Dudu estará a acolitar.

Tudo lá!!!

blogger

o que (continuar a) fazer esta semana?

Anunciar Cristo!!!!

viva o icne . viva o icne . viva o icne . viva o icne

blogger

Encontrou-se

em casa da Marta Serra camisola azul escura da massimo dutti, esquecida no dia do filme. O dono que se acuse. A camisola está em minha casa.

blogger

Dia do Beato Nuno de Santa Maria

Nasceu a 24 de Junho de 1360 no Castelo do Bonjardim. Aos 13 anos fazia parte do séquito do rei Dom Fernando e por essa altura foi armado Cavaleiro. Por obediência a seu pai casa com D. Leonor de Alvim, rica dama de Entre-Douro-e-Minho. Do casamento nasceu uma filha: Dona Beatriz. Após a morte de D. Fernando e porque a filha deste era casada com o rei de Espanha, vendo ameaçada a independência nacional entra em actividade política. Em Santarém dá-se o estranho encontro com o Alfageme de Santarém. Convidado pelo Mestre de Avis foi eleito Regedor e Defensor do Reino. Após vencer várias batalhas (Atoleiros, Aljubarrota) e já viuvo lança ombros à construção do Convento do Carmo, em Lisboa. Em 1422 partilha os seus bens e professa no Carmo, em 15 de Agosto de 1423. Sempre o dia de Nossa Senhora da Assunção a presidir aos momentos culminantes da sua vida. Ei-lo agora o asceta despegado de toda as ambições terrenas, frivolidades, entregue por completo ao único fito de adorar e servir a Deus: o herói de outra batalha que, depois de se ter mostrado invencível nas lutas do mundo, abandona tudo para se tornar apenas, humilde e feliz, Frei Nuno de Santa Maria.A 15 de Janeiro de 1918 a Sagrada Congregação dos ritos, em sessão plenária, aprova e reconhece o culto do Santo condestável, que o Papa Bento XV confirma, no decreto de 23 de Janeiro do mesmo ano.

O Papa Bento XV reconheceu o culto do Santo Condestável, Bento XVI canonizará este "nosso" beato...

blogger

sábado, 5 de novembro de 2005

Semana de Oração pelos Seminários

Pois é meus amigos, começou hoje a semana de oração pelos seminários! Houve uma vigília aqui no Seminário, que contou com a presença de alguns Senzas e uma Santiagrina!Ah, e a Pilar, que é Senza por afinidade! Veio o João, as Ineses, a Maria Reymão e a prima "Pilarica" (para mais informações perguntem ao Cardeal Patriarca, que a apelidou assim ainda hoje!).
Foi muito bom estar com estes grandes amigos, que ainda por cima tiveram que faltar ao jantar da peregrinação! Não é qualquer um! Soube mesmo bem, e já que não podem cá estar todos estes representaram-vos!
Esta semana agora vai começar uma grande azáfama, vou estar nas Sacristias dos Jerónimos e da Sé a tratar dos paramentos dos Cardeais, Bispos e Padres e depois a acolitar em todas as celebrações! Amanhã lá estarei na Sé, a minha primeira "acolitação" e convido-os a todos a irem à Missa Votiva de Santa teresinha do menino Jesus, com as relíquias! É ás 18.30 acho eu!
Mas antes vou ao Magusto dos Seminários, em Penafirme!! Muitooo bom, e há torneio de futebol contra os Olivais - será que vou jogar??eheheh

Tenho muitas saudades vossas e peço-vos que rezem pelos seminários em especial nesta semana! Sei, sinto e agradeço as vossas orações e peço-vos que as estendam a todos os seminaristas! Nós cá rezamos por vocês!!

Beijinhos e abraços!!
Seminarista 16

blogger

quinta-feira, 3 de novembro de 2005

São Duarte Magno

Da vida deste Santo pouco se sabe. Era um homem extraordinário, belo e perspicaz. Nasceu no fim do século XX, no centro da capital de um pequeno país ao lado de Espanha. Sempre fez o bem e era admirado por todos pelas suas virtudes - homem equilibrado, sério, gostava de se dar com o povo e da simplicidade dos pobres. Sempre desejou ser como eles por isso a 20 de Setembro de 2005 juntou-se a uma comunidade de irmãos adeptos de música tradicional portuguesa, das alheiras e futebol. Mas houve um dia que mudou a sua vida e a do Mundo para sempre - subitamente eleito Papa, foi levado num avião feito de ouro e esmeraldas para o faustoso Vaticano, onde reinou como um Imperador. Lutou pela sua Igreja e conseguiu conquistar o Mundo inteiro, passando o resto da sua vida em trabalho missionário, desta feita, para sua santificação, entre os mais ricos - já que gostava era dos pobres. Mas seguiu o exemplo de Jesus e a partir desse dia só o viam em banquetes, junto de cobradores de impostos e mulheres de má fama. Morreu com 120 anos, com fama de Santidade.

blogger

O meu santo homónimo =)

Santo Tiago, o Maior
Tiago nasceu doze anos antes de Cristo, viveu mais anos que Ele e passou para a eternidade junto a seu Mestre. Tiago, o Maior, nasceu na Galileia e era filho de Zebedeu e Salomé, segundo as sagradas escrituras. Era, portanto, irmão de João Evangelista, os "Filhos do Trovão" como os chamara Jesus. É sempre citado como um dos três primeiros apóstolos, além de figurar entre os predilectos de Jesus, juntamente com Pedro e André. É chamado de "maior" por causa do apóstolo homónimo, Tiago filho de Alfeu, conhecido como "menor".
Nas várias passagens bíblicas, podemos perceber que Jesus possuía apóstolos escolhidos para testemunharem acontecimentos especiais na vida do Redentor. Um era Tiago, o Maior, que constatamos ao Seu lado na cura da sogra de Pedro, na ressurreição da filha de Jairo, na transfiguração do Senhor e na Sua agonia no Horto das Oliveiras.
Consta que, depois da ressurreição de Cristo, Tiago rumou para a Espanha, percorrendo-a de norte a sul, fazendo sua evangelização, sendo por isto declarado seu padroeiro. Mais tarde voltou a Jerusalém, onde converteu centenas de pessoas, inclusive dois mágicos que causavam confusão entre o povo com suas artes diabólicas. Até que um dia lhe prepararam uma cilada, fazendo explodir um motim como se fosse ele o culpado. Assim, foi preso e acusado de causar sublevação entre o povo. A pena para esse crime era a morte.O juiz foi o cruel rei Herodes Antipas, um terrível e incansável perseguidor dos cristãos. Ele lhe impôs logo a pena máxima, ordenando que fosse flagelado e depois decapitado. A sentença foi executada durante as festas pascais no ano 42. Assim, Tiago, o Maior, se tornou o primeiro dos apóstolos a derramar seu sangue pela fé em Jesus Cristo.
No século VIII, quando a Palestina caiu em poder dos muçulmanos, um grupo de espanhóis trouxe o esquife onde repousavam os restos de São Tiago, o Maior, à cidade espanhola de Iria. Segundo uma antiga tradição desta cidade, no século IX o bispo de lá, teria visto uma grande estrela iluminando um campo, onde foi encontrado o túmulo contendo o esquife do apóstolo padroeiro. E a Espanha, que nesta ocasião, lutava contra a invasão dos bárbaros muçulmanos, conseguiu vence-los e expulsá-los com a sua ajuda invisível. Mais tarde, naquele local, o rei Afonso II mandou construir uma igreja e um mosteiro, dedicados à Santiago, com isto a cidade de Iria passou a se chamar Santiago de Compostela, ou seja, do campo da estrela. Desde aquele tempo até hoje, o Santuário de Santiago de Compostela, é um dos mais procurados, pelos peregrinos do mundo inteiro, que fazem o trajecto à pé. Essa rota, conhecida como "Caminho de Santiago de Compostela", foi feita também pelo Papa João Paulo II, em 1989. Acompanhado por milhares de jovens do mundo inteiro, foi venerar as relíquias do apóstolo São Tiago, o Maior, depositadas na magnífica Catedral das seis naves, concluída em 1122.


blogger